Quando me protejo, o corpo responde

Sabe qual é um dos maiores erros que cometemos, quando falamos sobre emoções? O de que se a gente ficar quietinho, não falar mais no assunto e nos proteger da dor, ela vai sumir. E adivinhem? Ela não some, não. O que acontece é que ela se torna uma memória traumática e pode começar a provocar dores e reações físicas, sem que você entenda de que lugar aquilo surgiu.

A questão do calar, quando o assunto é emoção, é extremamente séria. Muitas vezes, tentamos “esquecer” algo difícil que nos aconteceu, acreditando que, se evitarmos falar no assunto, ele vai sumir. Não some, tá? Na verdade, toda emoção reprimida fica guardada em algum lugar do nosso corpo. Ela se instala, gera uma marca, uma espécie de cicatriz, uma memória traumática que deixamos de sentir, claro, como tristeza, mágoa ou desapontamento, mas que começa a gerar reações físicas.

Quando me protejo de uma emoção, é o corpo que responde a ela. Um sentimento guardado pode ser a causa de uma dor na coluna, uma enxaqueca, uma dificuldade para dormir, até mesmo de uma dificuldade de atuação de algum órgão do corpo. Nenhuma emoção passa em branco pela nossa vida. Ou ela é vivenciada, compreendida e ressignificada, ou ela acaba sendo a causa de algo que nos incomoda de outra forma, como uma doença.

O medo de confrontar a emoção acaba nos levando a tomar escolhas totalmente distantes do ideal: reprimimos, escondemos, esquecemos, abafamos. A esperança é que a dor morra. A realidade? Ela aumenta, mas de uma forma física. Já pensou em quantas vezes você deixou de entender uma situação emocional forte, e em quantas dores já teve sem entender a causa. Elas podem, sim, estar relacionadas.

Como saber se a dor é causada pela emoção?

Existem técnicas que ajudam a entender a causa primária de dores e doenças. E inclusive de comportamentos, como medo, ansiedade, dificuldade de realizar projetos. Uma delas é a Microsifioterapia, que usa as respostas do corpo para entender a relação dessas dores e problemas com memórias guardadas. Mas, como saber se a memória é traumática?

As emoções positivas geralmente são vivenciadas, não escondidas. Nos permitimos sentir, entender, aproveitar, e gravamos na memória aquele momento bom. O grande erro é realmente agir diferente quando o que sentimos não é bom, nos faz sofrer. Se conseguíssemos observar as emoções de um espaço externo, como observadores, entenderíamos que ambas, boas e ruins, fazem parte de quem somos. Nos ensinam, nos moldam.

Desejar sentir apenas o que é bom é o que nos leva, constantemente, a negligenciar esses momentos de aprendizado e a tentar esconder as emoções negativas. Raiva, medo, ciúme, angústia varridos para debaixo do tapete não morrem. Eles crescem dentro de nós, e provocam doenças. Lembre-se disso na próxima vez em que sua primeira reação seja negar uma emoção ruim. E, se precisar de ajuda, já sabe, nós estamos aqui. Você não precisa conviver com a dor sozinho!

2 comentários em “Quando me protejo, o corpo responde”

  1. Pingback: Quando me protejo, o corpo responde - Portal Agita Ih!

  2. Pingback: Quando me protejo, o corpo responde - Blog Anselmo Santana

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.