Dores na coluna? Que tal investigar suas emoções?


Sabe aquela dor nas costas que incomoda desde sempre e pode piorar à noite e ao amanhecer? Ela pode ter fundo nas suas inseguranças e experiências registradas como negativas pelo seu cérebro e pelo seu corpo. Entenda por quê.

Dores nas colunas aparecem entre as principais queixas no consultório. Tem gente que tem aquela dor na lombar, ou então aquele peso na cervical. Tem quem sofra com escoliose e quem tenha, com frequências, dores ciáticas ou no cóccix. Por que é tão comum? E as causas podem ser emocionais? A resposta para a segunda pergunta é sim! Para a primeira, a explicação está no modo como fugimos de lidar com o que nos acontece. Solução? Investigar suas emoções!

As dores na coluna, sejam nas vértebras, nas costelas e até mesmo na bacia, podem ser indício de que você não trabalhou bem algum acontecimento emocional da sua vida, especialmente os conectados com a autovalorização através da nossa história. Podemos contextualizar algumas dessas dores e os principais sentimentos ligados a elas. Veja:

Vértebras cervicais – podem ser decorrentes de uma desvalorização intelectual, se a dor for nas vértebras mais superiores, até uma sensação de justiça ou de submissão, se estiverem localizadas mais abaixo;

Vértebras dorsais – nas primeiras, também pode haver indício de humilhação e submissão, nas últimas, a dor pode estar conectada a uma desestabilização da vida e a problemas com a sexualidade;

Costelas – as costelas estão ligadas ao centro da vida, às nossas emoções mais íntimas, mas que compartilhamos com alguém. Quando abraçamos uma pessoa, é essa região que mais se aproxima, certo? Então, as dores aqui podem estar ligadas a decepções e a uma sensação de afastamento;

Coccix e Bacia – nessa região, os problemas estão, geralmente, conectados com a sexualidade e com a capacidade de gerar vida, no caso das mulheres. Podem surgir após um trauma, mesmo leve, como um toque retal ou uma intervenção obstétrica;

Escoliose – a escoliose está entre os problemas mais comuns de formação da coluna e está ligado a um processo de desvalorização da figura paterna ou de sustentação da família, ou partir dessa figura. Pode aparecer depois da morte de pai ou avô ou ser decorrente de uma relação mal trabalhada com essas figuras.

Investigar as emoções pode ajudar no tratamento da dor

Uma das nossas principais indicações iniciais para o tratamento das dores na coluna é a Microfisioterapia, uma técnica que identifica, por meio de microtoques, onde estão e a que estão ligados os traumas que possivelmente possam existir. E que, na própria sessão, já emite sinais para o corpo de que ele pode eliminar as memórias traumáticas que possam estar gravadas nas células e tecidos. Ou seja, com a Microfisioterapia, conseguimos identificar e já tratar a memória, iniciando o processo de eliminação da dor.

Entretanto, como trabalhamos com a premissa de que mais de uma causa emocional podem intercorrer na dor e que também é possível que haja traumas decorrentes do estresse causado pela própria dor, pela tensão, má postura e outros, utilizamos a saúde integrativa e suas várias técnicas para realizar um tratamento integral.

Muitas vezes, além de eliminar a dor, temos como objetivo que a pessoa modifique seus hábitos, suas crenças limitantes e sua forma de ver o mundo com as lentes do trauma. Com uma nova rotina, alimentação saudável, mentalizações e afirmações positivas, é possível tornar nosso emocional mais forte, atingindo um melhor nível de saúde integral.

3 comentários em “Dores na coluna? Que tal investigar suas emoções?”

  1. Pingback: Dores na coluna? Que tal investigar suas emoções? - Portal Agita Ih!

  2. Laylla Brenda Silva Soriano

    Eu realmente me identifiquei com vários pontos que li no texto. Sinto sempre dores nas costas lombar e tudo que trata da coluna e etc. Sou evangélica e creio que o trabalho que vocês fazem é libertador, porque descobrimos oque causa a dor e com isso nós liberta pra uma vida livre de prisões e cadeias espirituais. Por exemplo agora estou sentindo dores nas costelas mais a baixo. Não sei identificar o nome certo da parte dessa região.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *