Toda mãe é culpada

Não conhecemos uma mãe que não seja, vez ou outra, atormentada pela culpa. Seja por imposição social ou por crenças muito fortes que carregamos e que estão ligadas à maternidade, o fato é que a culpa pode tomar proporções maiores do que o normal e causar danos profundos na alma e no corpo. Mas há cura!

Responda rapidamente: toda mãe é culpada? Você pode ter ficado surpreso com a pergunta, mas a verdade é que a resposta pode ser geral: toda mãe se sente culpada e, às vezes, com uma frequência inacreditável. Como seres humanos, desejamos a perfeição. Normalmente, já nos cobramos muito: produtividade, agilidade, resultados, bons relacionamentos. Mas, quando falamos de mães, esse leque se amplia absurdamente.

Não há um só dia em que uma mãe não tenha que tomar uma atitude nova, maternidade é desafio. E, junto com as incertezas, vem a culpa. Existem inúmeros fatores que levam a essa premissa: além do desejo de perfeição, inerente ao ser humano, ainda temos o julgamento constante da sociedade, por exemplo. Observe: ou uma mãe se doa demais, ou negligencia o filho, ou mima ou é muito dura, tudo é “demais” ou “de menos”, tudo é sempre culpa da mãe. Em uma sociedade que impõe seu foco (tantas vezes negativo) na maternidade, como administrar sentimentos, como não aderir à culpa?

O grande problema, e é sobre ele que levamos nosso olhar terapêutico, é que a culpa adoece. Sentir-se constantemente “devendo” algo, sempre em foco, sempre em xeque, gera um estresse interminável que pode provocar toda série de mal-estar, de um sono ruim a crises de enxaqueca; de dores articulares a dificuldades de concentração (como se mãe já não tivesse tarefas suficientes pedindo sua atenção ao mesmo tempo). E uma mãe doente, acredite, se cobra em dobro. Ou mais.

Então, qual é a saída?

Como muitas vezes essa culpa e suas causas não são conscientes, o primeiro passo ao se sentir mal é descobrir se aqueça dor ou um estado de estresse constante podem ser causados por um agente emocional. Se tem relação com o passado, com algum evento específico. E trabalhar para eliminar memórias e crenças que possam avalizar a culpa já imposta pela sociedade. Mães, se libertem!

A culpa não precisa mais ser inerente à maternidade. Gerar um filho e se dedicar à formação de um novo ser humano já é tarefa complexa o bastante. Depois de tratar a si mesma e se livrar de problemas emocionais, cabe a cada mãe uma tarefa cada dia mais urgente: se conectar a pessoas que a ajudem. Como diz o provérbio africano que ficou muito conhecido com o documentário O Começo da Vida: “é preciso uma aldeia para educar uma criança”. Talvez ele seja menos dolorido do que a famosa frase “quem pariu Moisés que o embale”. Vale lembrar: cada cabeça é um sentença, só não vale ficar refém da culpa.

2 comentários em “Toda mãe é culpada”

  1. Pingback: Toda mãe é culpada? – Jornal Joseense News

  2. Pingback: Toda mãe é culpada?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.